Surpreenda o coração lendo esses 10 livros de amor

Todos os dias é dia de ler um bom livro, adote essa ideia e leia todos os dias, isso te deixará extremamente sábio com as palavras e pensamentos de pessoas que já passaram por diversas situações incluindo amor.

1. Romeu e Julieta – Um amor trágico entre duas famílias inimigas
Esta tragédia shakespereana, elaborada entre 1591 e 1595, não é significativa apenas por enfocar o amor proibido entre dois jovens na Verona renascentista, mas também por denunciar a hipocrisia e as convenções sociais, os interesses econômicos e a sede de poder, elementos que engendram inevitavelmente a intolerância e condenam o sentimento nobre que brota dos corações de Romeu e Julieta.

2. O morro dos ventos uivantes – A luta entre amor e vingança
“O Morro dos Ventos Uivantes”, de Emily Bronte, é um dos romances mais apaixonados e complicados de entender. O ambiente sombrio e tempestuoso nos transmite um senso de mistério. Uma história muito intensa e cativante. É uma estória sobre amor não correspondido e vingança. É um verdadeiro sustento para quem acredita no amor verdadeiro e eterno que nem a morte pode separar. O romance termina com a quase insanidade e consequente morte de Heathcliff . A obra foi adaptada diversas vezes para o cinema, a primeira em 1920 e a mais recente em 2011.

3. Anna Karenina – Uma mulher atormentada pelo amor e ciúme
“Todas as famílias felizes são iguais. As infelizes o são cada uma à sua maneira”. É assim que começa o livro Anna Karenina, escrito entre 1873 e 1877. Como indica a primeira frase do livro, o enredo todo gira em torno de uma família, focando principalmente em Anna Karenina, uma mulher da aristocracia russa, casada e com um filho, que decide abandonar tudo para viver com seu amante Vronski, mas atormentada por seus próprios fantasmas oriundos do ciúme doentio, ela adoece e morre.

“Anna Karenina” retrata comumente os temas de hipocrisia, inveja, fé, fidelidade, família, casamento, sociedade, progresso, desejo carnal, paixão, e o contraste da vida no campo e a vida na cidade. A tradutora Rosemary Edmonds diz que Tolstói não moraliza explicitamente no texto, mas o deixa fluir naturalmente desde “o panorama russo de viver” e também afirma que a mensagem chave do livro é “ninguém pode construir sua felicidade sobre a dor de outro”.

4. Diário de uma Paixão – Um amor que transcende o esquecimento
Diário de uma Paixão, de Nicholas Sparks, conta a história de Noah, um homem idoso que está lendo uma história de amor a uma mulher num lar. Ao longo da leitura do livro o leitor se apercebe que a mulher idosa é Allie, a mulher para quem o ido está lendo o livro e que é na verdade esposa de Noah e o amor da sua vida, que sofre atualmente de Alzheimer. Allie ouve atentamente a história que o seu marido lhe conta sem saber quem ele é. Noah conta então como os dois se apaixonaram na adolescência e como resolveram casar contra a vontade da família de Allie. No final da história, apedar do Alzheimer, Allie consegue reconhecer o seu marido. Os dois terminam abraçados, acreditando que irão morrer juntos.

5. P.S. Eu te amo – Nunca é tarde para dizer que ama alguém
Este livro conta a história de Gerry, um homem que ao descobrir que está doente prepara uma série de cartas e outras surpresas para a sua esposa Holly que se encontra devastada com a perda do marido. Com a ajuda das cartas, conselhos e presentes que o seu marido planejou para ele receber durante um ano, Holly consegue ultrapassar a dor, voltar a sorrir e descobrir um novo rumo para a sua vida, incluindo a sua verdadeira vocação profissional. Este livro mostra que o amor verdadeiro nunca morre.

6. O Concurda de Notre Dame – de Victor Hugo (por Themis Ortega Sampaio)
O amor do Quasímodo por Esmeralda, apesar de não ser recíproco, é puro e eterno (o autor deixa essa eternidade clara no último capítulo, ao narrar que o corpo de Quasímodo é encontrado abraçado ao da cigana nas profundezas de Notre Dame, e desfeito em pó).

7. Orgulho e preconceito – de Jane Austen (por Elisa Baracchini Cury)
Orgulho e preconceito de Jane Austen, por ser um livro bem construído, no qual todos os personagens têm profundidade. Contém uma crítica severa de uma época, onde o amor, num casamento, não era o principal, porém, o casamento era o único futuro para uma mulher.

8. Trilogia Millennium – de Stieg Larsson (por Alenes Frida)
9. Os sofrimentos do jovem Werther – de Johann Wolfgang von Goethe (por Amanda Pedrini)

10 – O amor nos tempos do cólera – Gabriel García Márquez
Um homem se apaixona pela trança de uma menina de família. A relação dura algumas cartas, mas ao conhecer seu admirador, a moça rejeita-o e casa com outro. O amor, porém, persiste e dura a vida inteira. Nesta fábula de realismo-fantástico, Gabriel García Márquez mostra que a paixão não tem idade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *